Search post, tags and authors
Desbloqueando Estabilidade: O Poder das Stablecoins na Cripto

Desbloqueando Estabilidade: O Poder das Stablecoins na Cripto

By Oreld Hadilberg
Reviewed by Tony Spilotro

Tabela de conteúdos

Introdução

Imagine realizar transações ou armazenar valor sem se preocupar constantemente com as selvagens flutuações de mercado. Esse é precisamente o objetivo principal das stablecoins. Elas fornecem uma espécie de "âncora" em um oceano de turbulências, permitindo que os usuários desfrutem de uma experiência mais previsível nas criptomoedas.

Uma stablecoin é uma moeda digital apoiada por um ativo estável, como o dólar americano ou o ouro. Seu principal objetivo é mitigar a volatilidade associada às criptomoedas como o bitcoin. Essas moedas digitais ligam o mundo das criptomoedas e das moedas tradicionais, pois seu valor está vinculado a reservas como o dólar ou o ouro. Esse enfoque reduz significativamente as flutuações em comparação com criptomoedas mais voláteis, proporcionando uma opção mais estável para transações diárias e transferências de moeda.

A combinação da estabilidade dos ativos convencionais com a flexibilidade dos digitais ganhou popularidade, atraindo bilhões de dólares para stablecoins como a USD Coin (USDC). Essas emergiram como opções populares para armazenar e negociar valor em criptomoedas.

História das Stablecoins

As raízes das criptomoedas estáveis remontam a 2014, quando as primeiras ideias surgiram. O objetivo era oferecer um meio de pagamento que mitigasse os riscos associados à volatilidade das criptomoedas, garantindo ao mesmo tempo baixos custos operacionais e preservando a privacidade.

Naquela época, surgiram dois pioneiros no mercado de criptomoedas: o BitUSD, da Bitshares, e o NuBits, da Nu. Esses projetos lançaram as bases para o desenvolvimento de uma das stablecoins mais populares hoje, a Tether USD (USDT). Inicialmente conhecido como Realcoin, o Tether foi oficialmente lançado no final de 2014 na sidechain Bitcoin Omni Layer, embora só tenha começado a ser negociado em bolsas em 2015. A Bitfinex foi uma das primeiras plataformas a apoiar essa stablecoin.

Por volta da mesma época, o grupo Steem lançou sua criptomoeda estável, o SteemUSD. Outros projetos semelhantes seguiram o exemplo, embora nem todos tenham conseguido resistir ao teste do tempo.

Que Tipo de Stablecoin é Mais Segura?

Determinar qual stablecoin é mais segura que outra é altamente complexo, pois envolve vários fatores. Em primeiro lugar, a segurança está relacionada à gestão responsável da emissão pela entidade reguladora. Se forem emitidos mais tokens do que os apoiados, a estabilidade da stablecoin é mantida, aumentando o risco de que alguns usuários não consigam resgatar suas criptomoedas e que a paridade com o ativo subjacente seja recuperada.

A segurança, além do emissor, depende dos ativos que apoiam a stablecoin. Por exemplo, qualquer flutuação significativa no valor de uma moeda nacional (como o dólar, euro ou iene) poderia afetar a estabilidade das stablecoins ligadas a esses ativos. Portanto, determinar qual stablecoin é mais segura que outra requer uma análise individual. É crucial pesquisar cada projeto e avaliar suas características e possíveis deficiências antes de investir nele. A reputação dos desenvolvedores e executivos e sua experiência no mercado costumam ser indicadores comuns da segurança de uma stablecoin.

Função das Stablecoins no Mundo Cripto

As stablecoins surgiram como uma ferramenta financeira única, unindo o melhor das moedas fiduciárias e das criptomoedas. Esses ativos cripto oferecem uma alternativa eficiente de liquidação com custos mais baixos e garantem transparência e estabilidade de preços por meio de um livro-razão distribuído.

Preservação de Valor: Os usuários recorrem a moedas como Tether e USD Coin como refúgio para economias, enfrentando a volatilidade das criptomoedas. Elas funcionam como uma proteção, permitindo que os investidores protejam seus investimentos ou lucrem antes de possíveis perdas.

Em países com moedas desvalorizadas ou restrições monetárias, as criptomoedas estáveis, como no caso da Venezuela e da Argentina, protegem as economias da inflação sem as limitações de compra associadas a algumas moedas tradicionais.

Negociação: As stablecoins simplificam a compra e venda de criptomoedas, evitando operações custosas entre contas bancárias e bolsas. Sua interoperabilidade com vários ativos cripto e aceitação generalizada em plataformas de negociação as tornam convenientes para traders.

Pagamentos: Ao representar digitalmente moedas fiduciárias como o dólar ou euro, as stablecoins são consideradas métodos de pagamento eficientes. Com custos operacionais mais baixos e alcance transfronteiriço, elas oferecem uma alternativa para compra de bens e serviços online.

Empréstimos e DeFi: Stablecoins como DAI são cruciais no crescente mundo das finanças descentralizadas (DeFi). Elas servem como garantia para gerar juros e são fundamentais no farming de rendimento, onde os usuários acumulam rendimentos de várias aplicações e ganham tokens como recompensa.

Essas criptomoedas estáveis oferecem estabilidade e se tornaram ferramentas versáteis em vários aspectos do ecossistema cripto-financeiro, desde proteção de ativos até participação em plataformas DeFi inovadoras.

Tipos de Stablecoins

Apoiadas por Fiduciárias:

Características: Diretamente vinculadas a moedas fiduciárias como o dólar, euro ou iene com paridade 1 para 1. Apoiadas por reservas fiduciárias.

Usos: Amplamente utilizadas para transações e como reserva de valor durante períodos de volatilidade no mercado de criptomoedas.

Apoiadas por Commodity:

Características: Apoiadas por ativos tangíveis como ouro, petróleo ou diamantes. Buscam estabilidade ao serem conectadas a commodities estáveis.

Usos: Oferecem exposição a commodities de forma tokenizada, proporcionando uma alternativa acessível para investir em matérias-primas.

Apoiadas por Criptomoedas:

Características: Utilizam outras criptomoedas como garantia, descentralizando o apoio. Frequentemente têm duplo apoio para mitigar a volatilidade.

Usos: Atraentes para aqueles que buscam evitar a dependência de moedas fiduciárias e desejam maior descentralização em seus investimentos.

Algorítmicas:

Características: Sem apoio físico, dependem de algoritmos e contratos inteligentes para regular o fornecimento e manter a estabilidade de preços.

Usos: Visam superar a volatilidade associada às criptomoedas tradicionais, sendo ideais para aqueles que buscam estabilidade sem depender de ativos físicos.

Principais Stablecoins

Tether (USDT):

Razões da Popularidade: USDT é amplamente utilizado devido à sua adoção precoce e vínculo direto com o dólar americano, tornando-o fácil de entender e usar em transações criptográficas.

Considerações: No entanto, o Tether enfrentou críticas quanto à sua transparência e solvência no passado, destacando a importância de uma pesquisa detalhada antes de investir.

Dollar Coin dos Estados Unidos (USDC):

Vantagens: USDC se destaca por sua transparência e regulamentação, apoiada por dólares americanos e supervisionada pelo Departamento de Serviços Financeiros de Nova York (NYDFS). Esse enfoque regulatório proporciona confiança aos investidores.

Participação no Projeto: Fazer parte do projeto Centre, um consórcio que visa avançar nas soluções de stablecoin apoiadas por fiduciárias, demonstra o compromisso do USDC com a inovação e o desenvolvimento nesse espaço.

Como Comprar e Vender Stablecoins?

Você pode adquirir essa criptomoeda por meio de exchanges, plataformas que facilitam a compra e venda de criptomoedas de forma segura e privada. A Margex é uma exchange internacional onde você pode comprar, vender e armazenar várias criptomoedas, incluindo stablecoins e tokens, diretamente em sua carteira na plataforma. Esse método garante a confidencialidade das informações e a privacidade dos dados pessoais dos envolvidos no processo. As stablecoins surgiram como uma resposta crucial à volatilidade inerente das criptomoedas, fornecendo uma base sólida apoiada por ativos tradicionais como o dólar ou o ouro.

Esse equilíbrio entre digital e tangível impulsionou opções como o Tether (USDT) ao topo, tornando-os ferramentas essenciais para transações cotidianas e transferências transfronteiriças. Essas moedas digitais provaram não ser apenas uma alternativa mais previsível, mas também uma ponte confiável entre o universo cripto e as moedas fiduciárias. Sua adoção generalizada e a confiança conquistada no mercado apoiam a ideia de que as stablecoins não são apenas uma tendência, mas uma evolução necessária no cenário financeiro digital.